BIOTIPO FACIAL

Os critérios para a avaliação da tipologia facial advêm do processo de crescimento do esqueleto craniofacial, das transformações físicas consequentes e de um processo morfogênico. O crescimento craniofacial ocorre com base nas características genéticas de cada indivíduo e os traços faciais são obtidos por hereditariedade; no entanto, podem
ser adquiridos ou atenuados por uso ou desuso .É importante a visualização das diferentes medidas craniométricas na análise cefalométrica, relacionando-as ao padrão do paciente. Antes da execução do plano de tratamento, é de extrema importância a confirmação do padrão esquelético vertical da face do indivíduo e o diagnóstico preciso de quais estruturas faciais poderiam estar em desarmonia com ele. A confrontação das medidas cefalométricas de um paciente com as médias estatísticas de grupos controlo, sem considerar o padrão facial do indivíduo, traz limitações ao diagnóstico. As forças e os fatores do crescimento podem agregar-se a padrões verticais da face com
variações do perfil. Os tipos de face possuem diferentes padrões de musculatura e de desempenho das funções orais. A tipologia facial identifica, por isso, a variação da forma do esqueleto craniofacial, resultando nos diversos tipos faciais, longo, médio e curto, cujas características musculares e funcionais são inerentes ao domínio da direção de crescimento.

Dolicofacial: possui uma face longa, cabeça ovalada, comprida e estreita e tendência à retrusão mandibular. A musculatura elevadora da mandíbula é mais delgada e o tipo mais comum de má oclusão é a mordida aberta esquelética Denominado pela ortopedia de padrão lépto Já pela ortodontia é chamado padrão dólico  Tendência de crescimento facial para  baixo Quase sempre apresenta mordida  aberta Musculatura: elevadores pouco desenvolvidos  Mandíbula: angulo mandibular mais    aberto com tendências para classe III    e mordida aberta.
Maxila estreita e menos desenvolvida. Altura facial aumentada .Quase sempre é respirador bucal .Estatura; quase sempre são indivíduos   altos e magros. Vamos chamá-lo de face longa.
Braquifacial: possui uma face curta, cabeça mais arredondada, mais curta e ampla e o complexo nasomaxilar posiciona-se mais posteriormente. A musculatura elevadora da mandíbula é espessa e a sua inserção no corpo da
mandíbula é ampla e com tendência à presença de sobremordida; Denominado pela ortopedia de padrão dólico. Já pela ortodontia é chamado padrão braqui.  Tendência de crescimento facial para    frente; Quase sempre apresenta mordida    profunda; Musculatura: elevadores muito    desenvolvidos  Principalmente os masséteres Mandíbula: angulo mandibular mais  fechada. Altura facial reduzida. Quase sempre é respirador nasal; Estatura mediana ou baixa e aspecto    musculoso. Vamos chamá-los de face larga
Mesofacial:  apresenta uma face média e um padrão de crescimento equilibrado e com boa relação entre os maxilares, normalmente apresentando arco dentário oval ou médio. Denominado tanto pela Ortodontia como pela Ortopedia  de padrão meso  Tendência de crescimento facial    médio; Musculatura: elevadores bem  desenvolvidos; Mandíbula quase sempre bem    posicionada;  Maior tendência à classe I.  Altura facial intermediária; Estatura quase sempre mediana ou  alta. Normalmente é o padrão facial que melhor responde ao estímulo ortodôntico e ortopédico funcional

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *