DENTÍSTICA OU ODONTOLOGIA ESTÉTICA

Dentística ou odontologia estética é o ramo da odontologia que atua na área da cosmética e restauração dental. Entre outros serviços, os profissionais desta especialidade tratam de clareamentos dos dentes, uso de resinas diretas, peeling gengival, facetas e restaurações estéticas.

O seu principal foco é a estética, ainda que a restauração de dentes também seja uma medida importante para a saúde individual, já que a permanência de cáries pode causar problemas a vários níveis, além de criar problemas na mastigação dos alimentos.

Pesquisa os vários tipos de preparações dentárias, a relação dos materiais restauradores com a estrutura dentária e o resto do organismo, técnicas restauradoras, etc. Tornando possível ao cirurgião-dentista restaurar de forma direta ou indireta a estética e a função dos dentes comprometidos.

Recupera a forma e a função dos dentes afetados por cárie ou trauma através de restauração e reconstrução. As restaurações em resina, também conhecidas como restaurações brancas, são muito utilizadas para melhorar a forma dos dentes, consertar dentes quebrados ou manchados, na troca de restaurações antigas ou no processo de restauração de cavidades de cárie. Existe uma infinidade de gama de cores de resina, que permite reproduzir a cor de cada dente com perfeição para tornar a restauração imperceptível.

RESTAURAÇÃO EM AMALGAMA

O amálgama é ainda um material muito utilizado na odontologia de país em desenvolvimento. Suas propriedades físicas e químicas proporcionam um biocompatibilidade e resistência excelente É um excelente material para restauração de dentes posteriores, mas seu uso está em declínio devido ao apelo estético das resinas e as controvérsias sobre a sua toxina. Uma liga metálica constituída por mercúrio, prata, estanho e cobre.

Prata

  • Se associa ao estanho – fase γ (Ag3Sn);
  • Aumento da resistência mecânica;
  • Diminuição do escoamento;
  • Aumento da expansão de presa.

Estanho

  • Facilita a mistura com o mercúrio (amalgamação);
  • Auxilia na redução da expansão da prata.

Cobre

  • Substitui parcialmente a prata;
  • Aumento da resistência mecânica e dureza;
  • Diminuição do escoamento e da corrosão;

Teor de cobre menor que 6% ligas de baixo teor de cobre. A liga se beneficia com o cobre a partir de 13%.

Zinco

  • Auxiliar no processo de fabricação (de oxidante da liga) – lixeiro;
  • Contaminação por água – expansão tardia (pode fraturar o dente).

Zn + H2O > ZnO + H2

Índio e paládio

  • Aumento da resistência mecânica;
  • Aumento da resistência a corrosão;

Baixo teor de cobre (< 6% de Cu) > convencionais

Limalha

  • Confecção do lingote;
  • Componentes são fundidos;
  • Resfriamento rápido – segregação;
  • Tratamento térmico homogeneizador;
  • Corte em aparos e moagem.

Partículas esféricas

  • Obtidos por otimização;
  • Formato esférico de vários tamanhos.

Fase gama 2 é menos resistente

O cobre (Cu) > a liga Ag + Cu é responsável pela eliminação da fase gama 2. Porque ele reage com ela e vira – h – Cu6Sn5.

RESTAURAÇÃO EM RESINA FOTOPOLIMERIZÁVEL

São restaurações em resina composta, que é um material plástico, da mesma cor dos dentes, cujo endurecimento se obtém com um aparelho (fotopolimerizador) que produz um forte raio de luz azul.

A vantagem das resinas fotopolimerizáveis é a estética. Quando corretamente indicada, as resinas restauram o dente de forma “conservadora”, pois se aderem ao dente como “cola”.

Assim, não requerem desgaste de tecidos dentários sadios, ou seja, o dentista pode remover apenas a cárie ou a restauração antiga. Já as restaurações metálicas precisam de cavidades maiores e retentivas e isso envolve desgastes desnecessários dos dentes. Outra vantagem é o fato da dureza da resina ser mais semelhante a do dente do que os metais. É comum ocorrerem fraturas de dentes que apresentam grandes restaurações metálicas, pelo fato da alta rigidez dos metais

CLASSE I :Acomete a região de cicatrículas e fissuras normalmente dos dentes posteriores; Pode também acometer a face palatina dos dentes anteriores. (cíngulo de incisivos e caninos).                                                                          

CLASSE II: Acomete as proximais dos dentes posteriores.

CLASSE III: Acomete as proximais de dentes anteriores , sem acometer o ângulo incisal.
CLASSE IV: Ocorre quando há a perda do ângulo inciso proximal. (não importa se esse ângulo é mesial ou distal).
CLASSE V: Acomete a região cervical de todo e qualquer dente (apenas na região vestibular e lingual).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *