ANESTESIA

A anestesia local é definida como uma bloqueio reversível da condução nervosa, determinando perda das sensações sem alteração do nível de consciência. Na antiguidade  usava-se o ópio ( suco da papoula), antes da descoberta dos anestésicos , eram utilizados a asfixia temporária no paciente onde se provocava uma isquemia cerebral e desmaio momentâneo ; caso não resolvesse dava-se uma pancada na cabeça literalmente. Com tudo isso , não dando certo , amarrava o paciente com auxiliares , nos pés e mãos , para o cirurgião realizar o procedimento. Nieman, em 1860, utilizou o primeiro anestésico local na medicina e odontologia que foi a cocaína, isolada da Erytroxycolon coca. No
ano de 1880, Von Srep desenvolveu um estudo de suas propriedades farmacológicas. Os benefícios da cocaína foram bastante apreciados e logo passou a ser administrada com eficácia em vários procedimentos. Em 1905, Ein Horn consegui substituto para a cocaína, sintetizado a procaína, descoberta os anestésicos locais utilizados ate hoje (Tortamano; Armonia , 2003). Atualmente, os anestésicos locais mais utilizados em Odontologia são aminas terciarias com propriedades hidrofílicas e lipofílicas, sintetizadas na década de 40. Constituem-se em uma alternativa menos toxicas, mais efetiva e com potencial alergênico menor que os anestésicos tipo éster.

Pode-se dividir a molécula do anestésico local em três partes: grupamento secundário ou terciário que confere as moléculas hidros solubilidades. Outra, aromática que concede as propriedades lipofílicas que são essências para sua penetração nas fibras nervosas. Por ultimo, unindo essas duas partes, uma cadeia intermediária que é importante em dois aspectos. Primeiro, fornece a separação necessária entre as extremidades lipofílica e hidrofílica e também a ligação química entre os dois grupamentos, servindo como base para a classificação anestésicos locais em dois grupos : os ésteres (-COO) e as amidas (-NHCO-). A cadeia intermediaria é de grande importância , já que há diferenças no grau de alergia, na potencia e no metabolismo, quando comparamos os dois grupos de fármacos.
Um bom agente anestésico deve apresentar baixa toxicidade sistêmica ; não ser irritante aos tecidos e também não causar lesão permanente  as estruturas nervosas. O tempo para início da anestesia deve ser o mais curto possível e a duração de ação suficiente para a realização do procedimento cirúrgico , com ação reversível.
De acordo com Tortamano e Armonia (2001), os anestésicos locais além de realizarem o bloqueio da condução nervosa , também interferem na função de todos os órgãos nos quais ocorrem condução ou transmissão de impulsos nervosos. Assim sendo, exercem ação sobre o sistema nervoso central (SNC), gânglios autonômico  , função neuromuscular e em todos os tipos de fibras musculares. No SNC, o estímulo é seguido de depressão idêntica á causada
anestésicos gerais, nos quais doses extremamente altas prejudicam a função respiratória, podendo levar a óbito por asfixia.

A duração da anestesia é determinada pelo grau  de ligação proteica. Ao anestésicos que apresentam  grande afinidade proteico tem menos possibilidades de se difundirem do local de injeção a serem absorvidos pela circulação sistêmicas. Apesar dessas drogas serem bases fracas, as preparações farmacêuticas (sais de hidro cloreto) são acidas, com ph variando de 4,5 a 6,0 no tubetes odontológicos, sendo que esta acidez aumenta a estabilidade das
soluções anestésicas. Uma vez injetados nos tecidos, com pH mais alcalino (pH = 7,4), há tamponamento ácido, liberando base em forma não – ionizada, passível de ser absorvida. Devido à instabilidade e reduzida solubilidade, quando em solução, são comercializados na forma de sais hidrossolúveis, geralmente cloridratos .

Anestésicos mais utilizado na Odontologia:

Lidocaína, Prilocaina, Mepivacaina, Cloridrato de Bupivacaina, Articaina.

Vasoconstritores: São substancias que contraem os vasos sanguíneos em consequências da contração do musculo liso presente na parede desses mesmos vasos.
As substâncias vasoconstritoras podem pertencer a dois grupos farmacológicos: aminas simpatomiméticas e análogos da vasopressina. As mais comuns são a adrenalina/epinefrina, a noradrenalina/noraepinefrina, a fenilefrina e o octapressin/felipressina

SEDAÇÃO COM OXIDO NITROSO

Sedação com Oxido Nitroso na odontologia
Cerca de 20% da população brasileira deixa de procurar tratamento odontológico devido ao medo e outros muitos adiam a vista ao dentista devido ao desconforto ou experiências negativas que já tiveram ou ouviram. Justamente o medo ou qualquer que seja essa aversão faz com que tanto para o paciente quanto para o cirurgião dentista o tratamento nestes casos se torne algo bem estressante e cansativo.

Para proporcionar conforto e tranquilidade ao paciente durante o tratamento odontológico a sedação com oxido nitroso tem como objetivo eliminar progressivamente a ansiedade, o medo, aumentando a autoconfiança, além de causar uma sensação de relaxamento e o bem estar após a consulta, minimizando os fatores estressantes do tratamento tanto para o paciente como para o dentista.

Horace Wells em 1844 descobriu o gás, onde hoje a técnica de sedação inalatória atual é utilizada na odontologia para o controle da dor e ansiedade em países de primeiro mundo como nos Estados Unidos, Japão, França, Austrália, Reino Unido, Noruega, Suécia e Nova Zelândia.

Um exemplo de tão seguro e benéfico é o uso e a associação dessa técnica de sedação, além de ter mais de um século de uso nos EUA, lá em media 50% dos consultórios possuem e usam a sedação com oxido nitroso em suas rotinas e principalmente em cirurgias ou na atuação da odontopediatria praticamente 100% deles realizam este procedimento utilizando a sedação através do uso do oxido nitroso. Porém no Brasil, apesar de já se conhecer essa técnica e sabermos muito sobre a grande ajuda que se obtém através de seu uso ainda é pouco difundida por aqui, sendo realizada por poucos médicos e dentistas.

2 pensamentos em “ANESTESIA”

  1. Querida! Estarei sempre aqui para te dar apoio no que quiser!!! Espero que esse blog seja um sucesso…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *